domingo, 7 de maio de 2017

Lição do dia ;)



Hoje, dei com esta esta frase na página de FB de uma boa amiga: «Porque o dia da mãe só faz sentido também contigo (a seguir vinha o nome do pai dos filhos)»...
Eu fiquei a pensar que no dia em que as mães pensarem assim (mas todas, as que são e as que acham que são e as que têm a mania que são boas mães), teremos um mundo tão melhor...
Mas o mais delicioso foi aperceber-me de que os meus pais, pela sua prática e vivência, já mo tinham ensinado (desde sempre ;) )...
E até achei piada ao dia da mãe...

terça-feira, 7 de março de 2017

Discordo do que dizes, mas defenderei até à morte o teu direito de o dizeres...

A propósito de uma polémica que para aí anda, a propósito de uma palestra que era para ser dada pelo Prof. Nogueira Pinto, algumas notas (que, em consciência, me fazem faltam publicadas):
1. bem esteve quem quis ir a um estabelecimento de ensino propalar a sua ideologia: quem tem ideias deve expô-las, desde que não obrigue os outros a "engoli-las";
2. bem estiveram os estudantes que pressionaram a direção da sua escola para que o evento não acontecesse: é esse o papel de quem tem ideias: defendê-las! 
3. muito mal andou quem cancelou o evento: é de quem dirige e não de quem é dirigido que se espera respeito pela máxima de Voltaire "discordo do que dizes, mas defenderei até à morte o teu direito de o dizeres"!
Em suma, que de um lado e de outro se tenha tentado fazer "lobby" demonstra, quanto a mim, que a Universidade Pública está sã e há nela a diversidade de pensamento de que precisa para se afirmar como o que deve ser: Universidade!
Lamento, sim, que a falta de liberdade de quem a dirige tenha tido estas consequências: fazer parecer uma casa onde há liberdade com muitas pseudouniversidades que para aí andam, onde só os que queriam organizar o evento têm lugar. 
Lamento, sim, que tão pouca gente ande preocupada com o facto de tanta "universidade" ser veículo de pensamento único...

quinta-feira, 2 de março de 2017

Preconceitos: é deitá-los abaixo!


Leio este artigo de opinião e lembro-me da minha própria história:
- 8 ou 9 anos  (a minha irmã tinha começado as aulas de ballet;
- e eu cheio de vontade de ir também;
- os meus pais (mais o meu pai que a minha mãe, é certo) davam a maior força;
- alguém (aliás, "alguéns") no resto da família começou a dizer que isso era para meninas e para meninos "larilas" - que raio de palavra!;
Resultado? Eu lá continuei no vólei...
Não recrimino ninguém por isso, mas estou convencido de que muito teria sido diferente se esse preconceito idiota não me tivesse feito mudar de ideias.
Deixem as crianças serem crianças: com bonecas, com carrinhos, com bolas, com sapatilhas de ballet, com tudo o que lhes possa fazer bem... também passa por aí o amor que elas merecem!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Tempo novo...

Começa hoje um tempo novo...
O objetivo, esse, é o de sempre: tudo fazer para tornar iguais os Advogados!

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Um pouco mais de mim...

     LEXICAL



     Temeroso,
     Quase em apavoramento,
     Insisto em caminhar
     Pelos carreiros em flor
     Dos léxicos perenes
     Que a lembrança inspira

     Fujo, porém,
     Das palavras que assustam

     (Uma delas o teu sorriso
     Cheio de sonhos
     – interditos –
     De gestos de te amar).

     Como se no dicionário
     Não se pudesse parar
     Na borda da Vida
     E cheirar todos os sonhos.

Há dias que marcam...

Marca  (talvez) maior de um dia triste...

sábado, 7 de janeiro de 2017

Fim de ciclo... e a gratidão.


Encerrou-se hoje um ciclo na minha vida.
Foi talvez o tempo que mais me marcou, como pessoa e como advogado.
Um dos tempos em que mais cresci, estou seguro.
Termina ao lado de quem me deu o privilégio de me proporcionar servir os Advogados Portugueses e a sua Ordem na direção do IAPI - Instituto dos Advogados em Prática Individual.
E termina no mesmo abraço (embora agora filho de uma amizade muito maior e melhor), com o mesmo sorriso (que nunca se esgota) e no mesmo bem querer aos Advogados e à Advocacia que sempre me inspirou e sempre me motivará.
Também por isso, mais talvez que por tudo o resto, te agradeço, Elina Fraga, minha Bastonária, minha querida Amiga!
E, sim, és uma exagerada: o abraço chegava 😉